Sindsmuvi participa de Plenária Virtual para discutir a reforma administrativa nesta quarta-feira, 16

Entidades e sindicatos, entre eles o Sindsmuvi, participarão de uma Plenária Virtual nesta quarta-feira, 16,  contra Reforma Administrativa, numa mobilização em defesa  da população brasileira e do serviço público de qualidade. O encontro será transmitido pela internet, às 19 horas.

Além disso, a plenária será uma preparação para o Dia Nacional de Luta em Defesa do Serviço Público e Servidores, que ocorrerá no dia 30 de setembro. Confira abaixo o link!

Participe e divulgue!

Link da Plenária: https://adufes.webex.com/meet/adufes

Sindsmuvi realizará assembleia online com ocupantes do cargo de assistente de educação infantil

Encontro será no dia 21 de julho, às 8h30. Em breve o sindicato divulgará a plataforma e o passo a passo para a participação

Sindsmuvi realizará assembleia online com os trabalhadores e trabalhadoras no cargo de assistente de educação infantil (AEI)! No contexto de pandemia, estamos ressignificando inúmeras ações em nossas rotinas de trabalho, e com a organização da luta sindical não poderia ser diferente.

Neste sentido, o Sindsmuvi está inovando e organizará uma assembleia virtual, que ocorrerá no dia 21 de julho de 2020, com os profissionais do cargo de assistente de educação infantil (AEI).

Não podemos nos neutralizar na construção histórica da organização de nossas vidas funcionais neste contexto, no qual empregadores e governo estão buscando intensificar cada dia mais a retirada de direitos!

Será desafiador, mas a realização desse momento se faz necessária!

Pedimos auxílio para divulgação e conscientização da importância desse momento junto aos profissionais do cargo!

Vitória, 09 de julho de 2020.

Direção do Sindsmuvi.

COVID-19: Sindsmuvi consegue liminar na Justiça para que servidoras/es da Saúde do grupo de risco sejam dispensados

Sindicato recebeu denúncias que relatam chefias obrigando pessoas do grupo de risco a retornarem ao trabalho. Prefeitura foi acionada, mas se omitiu diante do problema

O Sindsmuvi entrou com uma ação e a Justiça do Trabalho preferiu decisão liminar nesta quarta-feira, 15 de abril, atendendo a uma série de pedidos sobre as condições de trabalho das/os servidoras/es da Prefeitura Municipal de Vitória (PMV) durante a pandemia da COVID-19 (coronavírus).

Clique aqui e confira a íntegra da liminar da Justiça do Trabalho.

Entre as medidas determinadas, está o afastamento imediato de trabalhadoras/es que integram o grupo de risco: maiores de 60 anos, diabéticos, hipertensos não controlados e pessoas com histórico de doenças respiratórias crônicas como asma, bronquite, pneumonia e tuberculose.

De acordo com a presidente do Sindsmuvi, Waleska Timoteo, o Sindicato recebeu diversas denúncias sobre chefias de unidades de saúde que mandaram servidoras/es que pertencem ao grupo de risco retornarem ao trabalho. “Fizemos contato com a Prefeitura para que uma providência fosse tomada, mas não obtivemos retorno e tivemos que ir à Justiça por conta de não podermos esperar, uma vez que as vidas de colegas estavam sendo colocados em risco”.

Mau exemplo

Ainda de acordo com Waleska Timoteo, o Sindicato está em busca da consolidação de outras garantias, tanto para as/os trabalhadoras/es da área da Saúde quanto para de outros setores do município. A PMV tem cinco dias para cumprir a liminar. Caso contrário, será cobrada multa de R$ 10 mil por dia pelo descumprimento de cada medida determinada pela Justiça.

“O próprio município publicou decretos com as garantias para suas/eus servidoras/es e não cumpre as regras que ele próprio criou. Isso causa muita indignação na categoria. É um mal exemplo para a população que precisa ser incentivada a cumprir as orientações das autoridades sanitárias. Agora vamos caminhar para acompanhar o cumprimento da decisão liminar e realizar a fiscalização junto com o Ministério Público do Trabalho, a quem também acionamos”, explicou.

As solicitações feitas pelo Sindsmuvi na ação tiveram como parâmetro as orientações para prevenção ao contágio da COVID-19 (coronavírus) emitidas pelo Ministério da Saúde e se relacionam com o uso de Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) pelas/os profissionais, adaptações nos ambientes em que pacientes com suspeita da doença são atendidas/os, orientação para o público e para as/os trabalhadoras/es, além do afastamento de quem integra o grupo de risco, entre outras.

Outras medidas

O juiz substituto da Primeira Vara do Trabalho de Vitória, Cassio Ariel Caponi Moro, determinou, ainda, que seja garantido que pacientes com sintomas suspeitos de COVID-19 (coronavírus) ou outra infecção respiratória aguardem atendimento em local separado de outras pessoas, bem ventilado, e com fácil acesso a materiais para a higiene respiratória e das mãos.

A decisão também determina que o município informe e oriente as/os servidores quanto à doença e medidas a serem executadas, especialmente sobre a forma correta e frequência para a higiene das mãos com água e sabonete líquido ou preparação alcoólica a 70%, higiene respiratória/etiqueta da tosse e distância segura entre as pessoas e identificação de sintomas. Cartazes e/ou placas informativas devem ser divulgados em locais estratégicos, orientando pacientes e acompanhantes/visitantes.

Além disso, o magistrado determinou a eliminação ou restrição do uso de itens compartilhados por pacientes como canetas, pranchetas e telefones, e que os ambientes sejam mantidos ventilados, com janelas abertas, se possível.

A liminar concedida pela Justiça do Trabalho registra que as decisões tiveram como base laudo de perito, que conduziu cientificamente para a adoção das medidas, assim como os problemas gerados pela “pandemia viral de caráter global, que trouxe Estado de Calamidade Pública Estadual e Federal”.